Concursos - Informa-te na Biblioteca

Resultado de imagem para faça lá um poema 2017 Resultado de imagem para semana da leitura 2017 Resultado de imagem para miúdos a votos Resultado de imagem para 7 dias 7dicas Resultado de imagem para uma aventura literária 2017

Figuras Históricas - 2º ciclo

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

1º Prémio - Encarregados de Educação

Sempre que me lembro dia de Natal 25 de Dezembro no concelho de Celorico mesmo em todo o mundo ceia que se come à noite sendo pobre ou rico. A televisão estão a ver as cartas a jogar alguém à porta a bater é um velhinho tem barba grande e branca um rosto coradinho. Como pode ser? É o Pai Natal! Com prendas a carregar Isso é o menos mal... Todos têm uma prenda. É Natal! Mesmo o que se porta mal. O importante não é o presente, é o Amor que transmite o Natal. Se todos os homens tivessem um coração quente, era todos os dia Natal. Estrela Monteiro,mãe do Daniel,nº7,5ºC

1º Prémio - Secundário

O NATAL
Enquanto algumas pessoas
Estão a ter um Natal maravilhoso
Outras pelo contrário
Vivem um Natal doloroso.
Para alguns o Natal é uma noite bela
Com peru e baclhau a acompanhar
E outros sentam-se no chão
Sem nada para jantar.
Mas porquê que o Natal
Não é bom para toda a gente?
Uns riem e outros choram
Uns têm muito e outros pouco.
Já que o Natal é uma época de alegria
Porque não fazermos por isso neste dia?
Todos com carinho, solidariedade e harmonia
Vamos juntos acreditar e festejar
Que o Natal é uma época para amar.
11ºC

1º Prémio ex - aequo - 3º ciclo

É Natal Ali ao fundo vi uma luz A estrela que me conduz E também vi o menino Jesus Hoje conheci um menino De seu nome Jesus Que me disse és tu A estrela que me reluz Prendas, amizade, paz e união São o campo lexical Da palavra Natal Um pinheiro aqui Um pinheiro ali Uma bola aqui Outra ali Luzes a brilharem no ar Está o Natal a chegar É Natal. É Natal Está o pinheiro a piscar É Natal. É Natal Está o presépio a brilhar É Natal. É Natal E estão as crianças a brincar.
8ºC

NESTE NATAL
Neste Natal,
vamos todos desEjar
que os homenS possam
uma nova hisTória
invEntar...
Porque isto de soNhar,
imAginar, não tem segredo
vamos Todos pintar o mundo
com Arco-íris de
aLegria!...
CEF Empregado/Assistente Comercial

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

1º Prémio Ex-aequo 5ºD e 6º A

Natal Feliz
No dia de Natal Correm felizes Crianças de várias raças E de diferentes países No dia de Natal Foi quando nasceu Jesus Os Reis para O encontrar Seguiram uma linda luz No dia de Natal Comem-se vários aperitivos De diferentes sabores E de vários tipos (...) Torna este dia tão belo Ainda mais mágico e especial Faz com que nos lembremos
Que todos os dias podem ser Natal
5º D
POEMA DE NATAL
É uma festa muito linda
Acontece nos finais de Dezembro
Para nós é muito querida
Eu dela sempre me lembro
Há a troca de presentes
E é sempre divertida
Fala-se no Pai Natal
Que nos alegra a vida
Este poema dedicamos
Aos nossos amigos do lar
Pessoas de quem gostamos
E que para sempre
No nosso coração hão-de ficar
Aqui fica o nosso presente
Que não é nada de especial
Esperamos que fiquem contentes
Bom Ano Novo e Bom Natal
6º A

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Hoje foi um dia muito importante! Foi a festa de Natal da nossa Escola! A Tecas esteve muito atarefada a ler todas as poesias do concurso de Poesia tão bem dinamizado pelos Coordenadores de Ciclo. Ela ficou muito impressionada com a veia poética dos nossos alunos. Parabéns a todos e Feliz Natal!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

A Tecas gostaria de saber se já escreveram uma carta ao Pai NATAL?! ...
É verdade que podes partilhar aqui a tua mensagem ...
Caso não escrevas ao Pai Natal escreve uma mensagem de Natal neste nosso Blog...
Aguardamos novidades... Até breve... e Feliz Natal!

sábado, 29 de novembro de 2008

Patrícia Portela - "Para Cima e Não Para Norte"

Um livro de leitura obrigatória de uma das escritoras portuguesas mais originais e mais interessantes da actualidade, acabadinho de sair de sair para o mercado. Espreitem o book trailer neste link: http://www.youtube.com/watch?v=Kel94r1bH_8

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Contos

Como não podia deixar de ser. esta semana aconselhamos:

Uma obra que vale a pena ter na mesa de cabeceira, para ler ou reler, um conto de cada vez!

Boas leituras!

E não deixem de comentar!

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Eça de Queirós

EÇA DE QUEIRÓS
Mais uma vez festejamos o aniversário de um grande escritor. A BE/CRE com a preciosa colaboração da Biblioteca Municipal apresenta uma exposição bibliográfica sobre o autor. Há algumas preciosidades que vale a pena ver! Não percam! De 24 a 28 de Novembro revivemos Eça!

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Olá alunos! Estamos cá para vos ajudar em novas descobertas mas contamos com as vossas sugestões sobre os livros e recursos que cá temos ao vosso dispôr. Porém, aguardamos que as actividades que vos propomos neste nosso e vosso espaço sejam cada vez mais dinamizadas por vós! Até breve...

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Parabéns, Saramago!

José Saramago nasceu na aldeia de Azinhaga, concelho da Golegã, no dia 16 de Novembro de 1922. “Já não existe a casa em que nasci, mas esse facto é-me indiferente porque não guardo qualquer lembrança de ter vivido nela. Também desapareceu num montão de escombros a outra, aquela que durante dez ou doze anos foi o lar supremo, o mais íntimo e profundo, a pobríssima morada dos meus avós maternos, Josefa e Jerónimo se chamavam, esse mágico casulo onde sei que se geraram as metamorfoses decisivas da criança e do adolescente. Essa perda, porém, há muito tempo que deixou de me causar sofrimento porque, pelo poder reconstrutor da memória, posso levantar em cada instante as suas paredes brancas, plantar a oliveira que dava sombra à entrada, abrir e fechar o postigo da porta e a cancela do quintal onde um dia vi uma pequena cobra enroscada, entrar nas pocilgas para ver mamar os bácoros, ir à cozinha e deitar do cântaro para o púcaro de esmalte esborcelado a água que pela milésima vez me matará a sede daquele Verão. Então digo à minha avó: «Avó, vou dar por aí uma volta.» Ela diz «Vai, vai», mas não me recomenda que tenha cuidado, nesse tempo os adultos tinham mais confiança nos pequenos a quem educavam. Meto um bocado de pão de milho e um punhado de azeitonas e figos secos no alforge, pego num pau para o caso de ter de me defender de um mau encontro canino, e saio para o campo. Não tenho muito por onde escolher: ou o rio, e a quase inextricável vegetação que lhe cobre e protege as margens, ou os olivais e os duros restolhos do trigo já ceifado, ou a densa mata de tramagueiras, faias, freixos e choupos que ladeia o Tejo para jusante, depois do ponto de confluência com o Almonda, ou, enfim, na direcção do norte, a uns cinco ou seis quilómetros da aldeia, o Paul do Boquilobo, um lago, um pântano, uma alverca que o criador das paisagens se tinha esquecido de levar para o paraíso. Não havia muito por onde escolher, é certo, mas, para a criança melancólica, para o adolescente contemplativo e não raro triste, estas eram as quatro partes em que o universo se dividia, se não foi cada uma delas o universo inteiro.” José Saramago – As pequenas memórias

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

A TECAS TEM A HONRA DE CONVIDAR

SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN 6 de Novembro EXPOSIÇÃO BIBLIOGRÁFICA BE/CRE, 6 A 14 DE NOVEMBRO Colaboração da Biblioteca Municipal Prof. Dr. Marcelo Rebelo de Sousa

Sophia de Melo Breyner Andresen

Dizemos «Sophia» como se esta palavra fosse sinónimo absoluto de poesia. Dizemos «Sophia» e a nossa memória enche-se do som que as palavras têm. Dizemos «Sophia» e de repente o ar é límpido, as águas transparentes, há sempre uma casa na falésia e o sol faz rebentar o calor na cal das paredes. Dizemos «Sophia» e todas as flores e todos os peixes têm nome, e as crianças tornam-se mais ricas quando os encontram. Dizemos «Sophia» e não precisamos de dizer mais nada. Alice Vieira

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Caros colegas estamos à espera das vossa mensagens. Já está feito o convite.... agora aguardamos que este seja um novo espaço de partilha de ideias e informação. Até breve!

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

História da Tecas

No dia 8 de Junho de 2007, numa vila minhota, nasceu uma ratinha chamada Tecas. Os seus pais eram os leitores da Biblioteca da Escola EB 2,3/S de Celorico de Basto e ficaram muito felizes por a Tecas ser tão bonita. Aos 11 anos, a Tecas frequentava a escola e era boa aluna. Tinha acabado de passar para o 6º ano. Como a Tecas era grande leitora, a coordenadora da Biblioteca reuniu-se com os professores e o senhor João, e decidiram contratá-la para ajudar os alunos. Desde essa altura, a Tecas está na Biblioteca a receber todos os alunos, professores e auxiliares da escola onde nasceu. Achamos que a Tecas vai viver grandes aventuras e ter muitos amigos! Vamos esperar até lá!
5º B Ano lectivo 2006/2007

quinta-feira, 9 de outubro de 2008